7 Erros Para Não Cometer ao Migrar Para UX Design

Migrar para UX Design não é um caminho fácil, mas também não é impossível. Requer muito trabalho, dedicação e estudo para conseguir conquistar essa nova carreira. Contudo, mesmo tendo percorrido esse caminho para migrar para UX Design, é preciso tomar cuidado para não cometer alguns erros, mesmo já atuando na área. Confira nesse artigo 7 erros que você não deve cometer ao começar em UX.
7 Erros Para Não Cometer ao Migrar Para UX Design

Legal! Você batalhou duro para conseguir migrar de carreira e conseguir se tornar um UX Designer. Com certeza esse caminho não foi fácil e você teve que se dedicar bastante para isso.

Contudo, é preciso tomar cuidado para não cometer alguns deslizes no começo dessa mudança, ou até mesmo, durante toda a sua carreira em UX Design.

É natural relaxar e parar de se preocupar, depois de ter batalhado para conseguir migrar para UX. Mas a verdade é que, mesmo após a migração de carreira, existem alguns pontos de atenção importantes para evoluir ainda mais.

Confira abaixo os 7 erros que você não deve cometer assim ao começar sua carreira em UX Design.

1) Esquecer do usuário

Apesar de parecer um erro óbvio, é sempre importante lembrar que o trabalho do UX Designer gira em torno do usuário.

Não se pode esquecer que atender às necessidades e resolver os problemas do usuário é mais importante do que fazer interfaces bonitas.

Você já estudou tanto sobre Design Centrado no Usuário para chegar até aqui. Não se esqueça desses conceitos essenciais, porque eles realmente são a base do trabalho do UX Designer.

Dessa forma, preocupe-se sempre em fazer as pesquisas com os usuários para entender quais são suas reais necessidades e qual é o problema que você, como um bom UX Designer, deve ajudar a resolver.

Portanto, não deixe de lado ferramentas importantes como a Jornada do Usuário e os principais conceitos de Design de Interação.

Não pensar no usuário é não colocar em prática todas as metodologias e conhecimentos do Design Centrado no Usuário. Não se esqueça disso, mesmo já tendo alcançado sua primeira oportunidade em UX Design.

Dica de Leitura: Como o Design Centrado no Usuário Beneficia Todo Mundo

2) Não se preocupar com soft skills

O mercado de trabalho, independente da área, está cada vez mais exigente com o nível dos profissionais.

As empresas consideram um bom profissional aquele que, além de boas habilidades técnicas, possui excelentes habilidades comportamentais — Soft Skills.

O relatório da InVision, o 2019 Product Design Hiring Report, já havia mencionado a importância que as empresas dão ao profissional que possui um bom leque de Soft Skills.

Tabela baseada no 2019 Product Design Hiring Report da InVision

Portanto, é essencial que você, ao migrar para UX Design, comece a se preocupar não somente com as questões técnicas do seu trabalho, mas também com desenvolver e melhorar habilidades como:

  • Comunicação;
  • Desapego;
  • Autonomia e trabalho em equipe;
  • Empatia;
  • Curiosidade.

No entanto, não se desespere. As Soft Skills não são tão rápidas de serem absorvidas. Requer paciência, auto conhecimento e reflexão para conseguir introduzir cada uma dessas habilidades no seu dia a dia de trabalho. É um aprendizado constante, mas que vale a pena para evoluir profissionalmente.

Dica de Leitura: 11 Medos Que Te Impedem de Migrar para UX Design

3) Não pensar no negócio

Como vimos, um profissional de UX Design completo não é aquele que domina somente as habilidades técnicas de sua profissão, mas também aquele que possui soft skills.

Além disso, ainda é importante que o UX Designer entenda sobre Business. É um erro comum de alguns Designers não pensarem nos negócios da empresa e em como o UX irá impactar seus resultados.

Por mais que o foco do UX Design esteja em ajudar o usuário a resolver seus problemas, é importante que esse trabalho esteja alinhado com os objetivos da companhia.

No final do dia, a empresa é uma organização que precisa se manter ativa, por meio das vendas e do faturamento. Entender essas necessidades da empresa também é fundamental para o UX Designer.

Não pensar no negócio pode criar complicações para os seus projetos, tornando-os inviáveis. Portanto, ao migrar para UX, pense não somente no usuário, mas também como que o seu trabalho se relaciona com os objetivos da empresa aonde trabalha.

Dica de Leitura: Business Design – Por Que é Importante Saber Sobre Negócios?

4) Não se preocupar com networking

O Networking é uma ferramenta/ habilidade muito importante e que traz benefícios para todos os tipos de profissionais, inclusive para os UX Designers.

O Networking nada mais é do que o estabelecimento de uma rede de contatos que tem como objetivos compartilhar conhecimentos, ajuda e até mesmo oportunidades profissionais.

Para o designer que acabou de migrar para UX, uma rede de contatos é importante, pois é lá onde ele vai encontrar suporte de outros designers.

Você pode começar um networking por meio do LinkedIn, ou pela participação em fóruns, encontros, eventos de UX e comunidades.

A comunidade dos alunos da Aela, por exemplo, é um ótimo lugar para Networking. Nele, os alunos do nosso Bootcamp MID trocam informações, sugestões e até indicam vagas de trabalho uns para os outros.

Eu sempre busquei conhecimento de diversos lugares, e algo que me ajudou muito foi a rede de networking do MID. É muito interessante você poder ter esse contato e tirar dúvidas com profissionais da mesma área, que são mais experientes ou possuem experiências diferentes da sua.” — Fábia Coelho

"Para mim, o mais importante é a comunidade (do MID). É poder falar com pessoas que estão vivendo aquele sonho com você e poder ouvir experiências. Isso faz toda a diferença." — Maria Resende

Não trabalhar sua rede de contatos/ Networking pode fazer com que sua jornada em UX Design seja mais difícil, sem o suporte e ajuda de pessoas que estão passando pelos mesmos processos que você. Invista nisso, não cometa esse erro!

5) Não acreditar em mentoria

Outro erro muito comum de quem migra para UX Design é não acreditar que mentores podem ajudar a melhorar o seu trabalho e fazer você sair da sua zona de conforto.

Você pode ter conseguido efetuar a sua mudança e migração de carreira totalmente sozinho, e isso deve ser imensamente aplaudido.

Contudo, por mais que as pessoas tenham a capacidade de aprender e de se aperfeiçoarem sozinhas, não acreditar em mentoria pode atrasar o seu desenvolvimento profissional.

O mentor nada mais é do que um profissional experiente na área e que vai te aconselhar e ensinar tudo o que já aprendeu e como superar as dificuldades que encontrou pelo caminho.

Você irá mostrar projetos, processos ou até mesmo situações de dificuldade profissional, e o papel do mentor é de te guiar para conseguir solucionar os seus problemas da maneira mais eficiente possível.

Claro que você poderia aprender tudo sozinho, mas não é melhor ter alguém que te mostre o caminho? Ou até mesmo por qual caminho não ir.

Não acreditar em mentoria é uma negligência com seu próprio aprendizado. Não cometa este erro!

Dica de Leitura: Conheça os Mentores do Bootcamp MID

6) Não se atualizar com as tendências do mercado

A área de UX Design está bastante relacionada com a área de tecnologia.

Se você é um UX Designer que trabalha com sites, softwares ou apps, você sabe do que estamos falando.

Por possuir essa relação estreita com a tecnologia, as mudanças no mercado de UX também acontecem com certa velocidade.

É importante estar sempre atualizado com o que acontece no mercado, com novos softwares e novas tendências, para que sua visão não fique obsoleta.

Ao conseguir migrar para UX, pode ser que haja a tendência de se acomodar e parar de ler sobre assuntos relevantes do mercado.

Não cometa esse erro. Um bom profissional está sempre acompanhando as tendências do mercado para se atualizar, aprender e se adaptar.

Procure sites com informações relevantes sobre UX para acompanhar. A Aela, por exemplo, cria conteúdos frequentes e importantes sobre UX Design, carreira, ferramentas e diversos outros temas — inscreva-se na nossa newsletter!

Com o passar dos anos, e quando já se tem mais maturidade na profissão, é interessante também a participação em eventos e conferências, como a UX Conference organizada pela NN/g, para se manter atualizado.

Enfim, não importa como, o importante é você procurar frequentemente informações sobre o mercado de UX para se manter a par das tendências.

7) Não continuar estudando porque já conseguiu migrar para UX.

Não é porque você já conseguiu migrar para UX Design que significa que você não precisa mais estudar.

Parar de estudar é um erro muito comum, o qual acontece em diversas áreas, inclusive em UX.

A máxima é que ninguém sabe tudo e, na verdade, nunca saberá. Mas para se desenvolver cada vez mais, não há outro jeito: é preciso continuar estudando.

Leia livros e artigos, assista videos e palestras, ouça podcasts. Não pare de procurar conhecimento, seja qual for o formato que preferir.

Se for o caso, procure novos cursos para fazer. Nosso Bootcamp MID, por exemplo, é um curso que atende desde o designer iniciante até o mais experiente. Confira mais sobre o MID aqui.

O mercado de trabalho e a própria profissão evoluem, portanto, investir em estudos e em conhecimento é uma maneira segura de continuar se desenvolvendo.

Dica de Leitura: 11 Razões que Fazem do MID um Curso de UX/UI Design Incrível

Se você gostou desse conteúdo não se esqueça de clicar em curtir e compartilhar! Esse pequeno gesto ajuda bastante no nosso trabalho! Fique à vontade para continuar navegando aqui e, caso queira receber nossos conteúdos por email, inscreva-se na nossa newsletter!

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Cursos

Temos orgulho de ter todo mês novos alunos contratados em países como Brasil, Irlanda, Portugal, Áustria, Nova Zelândia e Canadá.