Entrevistas
Da Engenharia Civil Para UX Design – Entrevista com Leonardo Andrade
Lista de conteúdos
Entrevistas

Da Engenharia Civil Para UX Design – Entrevista com Leonardo Andrade

Leonardo Andrade é aluno do Bootcamp MID e nesta entrevista nos conta como foi sua trajetória para migrar da engenharia civil para UX Design.

Ele nos conta quais foram seus principais desafios e como ele conseguiu manter o foco nos estudos, mesmo durante a pandemia.

Além disso, entenda como ele fez para organizar seu portfólio e currículo para conseguir sua primeira oportunidade na área.

Leonardo, obrigado pelo tempo! Conta um pouco sobre você, para começar

Meu nome é Leonardo e atualmente sou UX/UI Designer Júnior na Compass.uol.

O meu background é um pouco diferente do UX, sou formado em engenharia civil. Mas no início da pandemia eu decidi mudar de carreira totalmente.

Já havia um tempo em que eu não estava satisfeito com a área que eu tinha escolhido.

Eu sempre gostei muito de tecnologia e, durante o isolamento, tive mais tempo para pesquisar e entender sobre as possibilidades que existem nessa área. Foi assim que eu acabei descobrindo o UX Design.

O que me chamou a atenção na área foi a possibilidade de trabalhar com criatividade, tecnologia e inovação. Além disso, por ser uma área em crescimento, há muita oportunidade e eu resolvi tentar ingressar.

Estudo de personas: Portfólio UX Design Leonardo Andrade
Portfólio Leonardo Andrade

Como foi fazer a transição da engenharia para o UX?

Realmente essas duas áreas são bem diferentes!

No início eu tive que pesquisar bastante para saber se era realmente isso o que eu queria fazer. Até cheguei a fazer alguns testes vocacionais.

Quando eu decidi que iria realmente migrar para UX, comecei a consumir bastante conteúdo sobre a área.

Então, eu vi muitos vídeos no Youtube, li diversos artigos, pesquisei sobre a rotina do designer e quais as principais atividades e atribuições.

Nesse período de pesquisa foi que eu conheci a Aela. Eu li diversos artigos de vocês sobre UX e sobre a área.

Depois de pesquisar bastante, comecei a pensar em fazer um curso especializado. Como já conhecia a Aela, decidi fazer o Bootcamp MID.

Na época eu não estava trabalhando e a pandemia já tinha estourado. Então eu tinha bastante tempo livre e me dediquei bastante no curso e aos estudos.

No final do dia, não tive grandes dificuldades em fazer essa migração de carreira. Baseado no que eu já vinha estudando antes do curso e somado às aulas, eu consegui me aprimorar e fazer as atividades e projetos com tranquilidade.

Dica de Leitura: 11 Razões Que Fazem do MID um Curso de UX/UI Design Incrível

A pandemia deixou o mundo muito estressante. Teve algo que você fez para manter o foco nos estudos durante esse período difícil?

Eu não posso dizer que esse período não me prejudicou, porque todo mundo foi afetado direta ou indiretamente.

Realmente, as notícias deixavam a gente abatido com relação ao que estava acontecendo na época. Por isso eu tentei me afastar um pouco disso.

Claro que eu acho importante a gente se manter informado, mas eu tentei não dar tanto destaque para as notícias.

Quando eu percebia que essas informações estavam me sobrecarregando, eu tentava dar um tempo para não me abalar.

Além disso, eu tinha um objetivo bem definido. Eu queria avançar o mais rápido possível no MID, aproveitando as horas disponíveis que eu tinha para aprender sobre UX Design.

Ter esse objetivo e um plano de estudos bem estruturado me ajudou a manter o foco durante esse período bem difícil.

Mantive na cabeça o meu objetivo, criei uma rotina e garanti ao máximo a consistência nos estudos. Acordava no mesmo horário todos os dias e estudava sempre o mesmo tanto de horas, como se fosse um trabalho mesmo.

Acho que foi assim que eu consegui me manter focado.

Wireframes - Portfólio UX Design Leonardo Andrade
Portfólio Leonardo Andrade

O que você diria que te ajudou a migrar para UX tão rápido?

Acredito foi a minha disciplina.

Eu me dedicava muito aos estudos, não somente com relação ao conteúdo do MID, mas também me preocupava em buscar outras fontes de informação e conhecimento.

Nesse sentido, eu acabei lendo muitos livros de design também, os que vocês recomendaram e outros que pesquisava na internet.

Portanto, sempre busquei me bombardear de informações úteis que pudessem me ajudar a enriquecer meus conhecimentos.

Ainda mais porque eu vinha de uma área completamente diferente do UX, eu sentia a necessidade de pegar mais pesado para realmente entender o assunto.

Então, utilizei bem o meu tempo livre, estudando e me dedicando, me preparando bastante.

Além disso, no começo eu não me preocupei em buscar vagas. Eu queria primeiro me sentir mais preparado e seguro. Assim, passei pelos primeiros níveis do MID, fazendo os projetos e estudando, para depois começar a procurar por vagas.

Para ter uma ideia, eu comecei o MID no meio do ano, e comecei a procurar oportunidades somente no final do ano.

Então, tive um bom tempo de dedicação exclusiva, focando realmente em aprender o máximo possível sobre UX todos os dias.

Dica de Leitura: 5 Livros Essenciais Para Iniciar Em UX

Durante a sua rotina e seus estudos, qual foi o seu maior desafio?

Acho que tive mais dificuldade no início com noções de design de interface e de visual mesmo. Porque eu não tinha nenhuma noção.

Aqui, nem digo que havia dificuldade em utilizar os programas e softwares; eu acho que isso é até simples.

A dificuldade que eu tinha era o feeling, o tato, de como fazer as interfaces. Não era como se eu tivesse feito design gráfico e já tivesse uma bagagem no assunto.

Eu sou engenheiro!

Então, acho que ter essa noção de estética/ design mais aguçada foi mais trabalhoso e um desafio no começo. Mas conforme o tempo foi passando, fui pegando o jeito.

Claro, eu ainda estou aprendendo, a minha evolução é constante. A cada dia que trabalho, eu ganho mais experiência para ver o que funciona ou não.

Isso porque UX Design não é algo exato. O que a gente acha que vai ser bom para alguém, pode não ser bom para outra pessoa.

Então, só com o tempo a gente vai entendendo o que é melhor, em termos de estética.

Hoje eu tenho mais noção do que no início, mas é um processo diário de aprendizado.

Problem Statement - Portfólio Leonardo Andrade
Portfólio Leonardo Andrade

Como você conseguiu superar essa dificuldade?

Acredito que tenha sido a prática mesmo.

Além das atividades do MID, eu sempre fuçava no Figma, o aplicativo que eu mais usava.

Procurava tutoriais no Youtube e tentava reproduzir as técnicas, projetos e telas. Tentei ao máximo me familiarizar com a ferramenta.

Assim, com o tempo as coisas foram ficando mais fáceis.

Toda vez que eu encontrava algo que eu não sabia, eu pesquisava o que era, como usar e para que servia.

Ter essa curiosidade de pesquisar e buscar aprender cada vez mais me ajudou muito.

Dica de Vídeo: Preciso Estudar Todas as Metodologias Para Crescer em UX Design?

Como você soube que estava preparado para aplicar para vagas em UX Design?

A minha meta era ter um emprego no início de 2021.

Então, já em dezembro de 2020, eu tinha 6 projetos prontos do MID. Peguei 3 deles e estruturei o meu portfólio.

Com isso eu já estava me sentido mais preparado para procurar e aplicar para vagas.

Além disso, fui pegando dicas sobre como poderia estruturar melhor o meu currículo, como me preparar para aplicar para vagas, como melhorar meu LinkedIn. Tudo isso acabou me ajudando.

Como foi o processo de procurar por vagas?

Demorou um pouco para eu conseguir minha vaga porque eu fui ajustando as coisas durante o caminho.

A primeira versão do meu currículo, por exemplo, não era a ideal. Olhando hoje e comparando com a versão atual, já dá para perceber que eu fiz várias melhorias.

Acho que uma grande dificuldade foi não ter nenhuma experiência prévia na área. O mercado e as empresas pedem muito por isso.

Mesmo eu tendo um portfólio bem estruturado, com projetos legais, eu senti muita dificuldade porque não tinha experiência real.

Então, para tentar contornar essa situação eu tive que aprender a valorizar os meus conhecimentos de engenharia. Aprendi a mostrar que o meu background também poderia ser valioso e que, apesar de não ter experiência em UX, eu tinha outras competências, da engenharia, que poderiam me ajudar também.

Conforme o tempo foi passando, eu ia melhorando meu portfólio, meu currículo e ia vendo o que funcionava e o que não funcionava.

Acaba que o portfólio e o currículo são como um projeto de UX Design. Temos que iterar para ir melhorando cada vez mais!

No mais, acabei também descobrindo outros lugares para procurar por oportunidades. No começo eu só utilizava o LinkedIn. Mas depois comecei a participar de grupos em outras plataformas como o Telegram, por exemplo.

Depois de uns dois ou três meses, eu consegui a entrevista que me deu o emprego no qual estou atualmente.

Portfólio UX Design Leonardo Andrade
Portfólio Leonardo Andrade

Como foi o processo seletivo para seu emprego atual?

Talvez o meu caso seja um pouco diferente porque eu entrei num programa de fast track da empresa, para pessoas que não tem experiência na área.

Eles contratam esse perfil justamente para capacitar as pessoas nos primeiros meses de emprego.

Por conta disso, a minha entrevista foi somente com o RH. Falei sobre minhas aptidões e experiências prévias; e sobre meus conhecimentos adquiridos pelo Bootcamp MID. Não tive que apresentar projeto ou fazer um teste ou desafio, como já tinha acontecido em outros processos seletivos.

O legal foi que eles valorizaram a minha experiência passada, mesmo não tendo prática em UX; e me proporcionaram capacitações internas para eu aprender ainda mais.

Como está sendo o seu dia a dia como UX Designer?

Eu gosto bastante de trabalhar na Compass.uol porque é uma empresa de consultoria, então a gente atende a vários clientes diferentes.

Ao longo desses meses, eu pude trabalhar com e-commerces e agora estou com um cliente do mercado de educação.

Então eu tenho a oportunidade de aprender sobre mercados e áreas bem diferentes. Essa é uma questão que eu gosto muito, porque nunca vai ser a mesma coisa. Os projetos mudam e vamos conhecer outro setor e outra empresa.

Além disso, a Compass.uol se preocupa bastante com a capacitação dos funcionários. Existe essa cultura que valoriza a formação contínua dos profissionais e eu acho isso bem importante.

Então, eu estou bem feliz com esses meu início! Passou muito rápido, mas eu sinto que evolui muito. A cada dia eu aprendo mais. Tem sido bem bom!

Dica de Leitura: 11 Medos Que Te Impedem De Migrar Para UX Design

Se você pudesse voltar no tempo, o que diria para o Leonardo do passado? Em termos de aprendizados e desafios de migrar para UX

Acho que diria para ter mais paciência e calma no início.

Eu acho que quando começamos numa área nova, ficamos bem ansiosos, querendo aprender tudo o mais rápido possível.

Mas apesar de ter conseguido estruturar meus estudos, mesmo assim eu teria dito para o Leonardo do passado que não precisava correr tanto.

Diria também para seguir firme nos estudos e variar nas fontes de informação e conhecimento. Diversificar as mídias; ler um artigo ou livro, assistir um vídeo.

Então é isso, diria para ele ter calma e manter a disciplina porque com essa consistência tudo dá certo no final.

Esquema de cores - Portfólio UX Leonardo Andrade
Portfólio Leonardo Andrade

Leonardo, obrigado pelo seu tempo e muito sucesso na sua trajetória!

if(window.strchfSettings === undefined) window.strchfSettings = {};window.strchfSettings.stats = {url: “https://aela-io.storychief.io/pt/da-engenharia-civil-para-ux-design-entrevista-com-leonardo-andrade?id=16490087&type=2”,title: “Da Engenharia Civil Para UX Design – Entrevista com Leonardo Andrade”,id: “6aa280f8-87e7-4053-a27d-291065009b13”};(function(d, s, id) {var js, sjs = d.getElementsByTagName(s)[0];if (d.getElementById(id)) {window.strchf.update(); return;}js = d.createElement(s); js.id = id;js.src = “https://d37oebn0w9ir6a.cloudfront.net/scripts/v0/strchf.js”;js.async = true;sjs.parentNode.insertBefore(js, sjs);}(document, ‘script’, ‘storychief-jssdk’))

Cursos

Temos orgulho de ter todo mês novos alunos contratados em países como Brasil, Irlanda, Portugal, Áustria, Nova Zelândia e Canadá.