UX
UX Writing: O Impacto das Palavras na Experiência do Usuário
Baixar em PDF
Lista de conteúdos
UX

UX Writing: O Impacto das Palavras na Experiência do Usuário

Capa de artigo sobre UX Writing

O UX Writing é uma área de atuação dentro do UX Design que cria e desenvolve textos para melhorar a experiência do usuário nas interfaces.

A construção da experiência deve levar em consideração diversos elementos, e o conteúdo textual é um deles. Infelizmente, muitas vezes os textos não são entendidos como parte do design de interface.

Neste artigo vamos abordar e explicar o que é o UX Writing e como utilizá-lo para aprimorar a experiência do usuário.

O que é UX Writing?

UX Writing é a prática de desenvolver textos dentro do design e da interface para guiar, ensinar e melhorar a experiência do usuário.

O principal objetivo do UX Writing é estabelecer uma comunicação eficiente entre a interface e as pessoas que interagem com ela.

Nesse sentido, escrever para a experiência do usuário contempla não somente os textos descritivos e tutoriais, mas também os botões, menus e mensagens de erro, por exemplo.

Dica de Leitura: UX Design – Quais As Possibilidades De Atuação Na Área?

UX Writing ou Copywriting?

É bastante comum ouvirmos esses dois termos, por isso é importante entender que há diferenças entre eles.

O UX Writing comporta os textos que vão aprimorar a experiência do usuário dentro de uma determinada interface ou produto digital. A intenção é comunicar para melhorar a interação.

Por outro lado, o Copywriting está relacionado à redação publicitária. Ou seja, o seu objetivo é criar textos para persuadir e vender algo para alguém.

No entanto, é bastante comum as pessoas usarem esses dois termos como sinônimos, embora os seus significados sejam bem diferentes.

Outros termos bastante comuns de encontrar são “copy”e “microcopy”. De maneira geral, esses dois termos se referem a textos, sejam eles publicitários ou de experiência.

Particularmente o termo “microcopy” tem uso mais comum em UX Design, por referir a textos em menus, botões e em outros elementos menores. Mas você pode encontrar qualquer um dos dois termos — copy ou microcopy — para se referir a UX Writing.

UX Writing para informação e para interação

UX Writing para informação e UX Writing para interação

Existem dois tipos de texto em UX Writing, um para informar e outro para interagir.

Os textos para informação são compostos por:

  • Títulos;
  • Subtítulos;
  • Corpo do texto.

Esses componentes fazem parte da Hierarquia Visual e são importantes para deixar o texto escaneável para o usuário.

Os títulos e subtítulos também precisam ser objetivos e concisos. O usuário deve saber rapidamente sobre o que trata aquele tópico.

Já os textos para interação estão presentes em:

  • Legendas de imagens;
  • CTAs (Call To Actions)
  • Notificações;
  • Mensagens de Erro;
  • Menus, botões e outros elementos de UI.

Os textos para interação tem a função de chamar a atenção do usuário, guiar e incentivá-lo a interagir com os elementos.

Portanto, esse tipo de copy precisa ser bem assertiva, concisa e com as palavras certas para impactar quem lê.

As responsabilidades do UX Writer

A pessoa responsável por desenvolver o UX Writing de uma interface é denominada UX Writer.

Tendo em vista que o UX Writing é uma área que compõe a estratégia de conteúdo de uma marca — produto, ou empresa —, as responsabilidades do UX Writer não se limitam apenas à escrita.

É importante entender qual é a persona, qual o tom, estilo, termos e voz que devem ser aplicados nos textos das diversas interfaces.

É comum que o UX Writer trabalhe bem próximo da gerência de produto e do marketing como um todo. Nesse sentido, quem atua como UX Writer possui algumas tarefas como:

  • Trabalhar junto com os demais times para desenvolver soluções em texto para as necessidades dos usuários;
  • Evangelizar sobre o impacto das copys nas interfaces e incentivar a escrita como elemento de design;
  • Colaborar com UX Designers e desenvolvedores para criar boas experiências para o usuário;
  • Ajudar nos processos de pesquisa;
  • Criar textos — claro, mas é sempre bom ressaltar.

Por que o conteúdo textual é importante?

O conteúdo de uma interface tem papel primordial na experiência do usuário. Nesse sentido, o que é o texto senão uma parte do conteúdo, ou um meio para comunicar a mensagem desse conteúdo?

O UX Writing impacta diretamente a experiência na interface, não só por instruir as pessoas, mas também na arquitetura da informação e na jornada do usuário.

Portanto, o texto em UX Writing é parte fundamental do design, e não deve ser visto como algo secundário.

Mas e os ícones?

Os textos não são os únicos meios de estabelecer uma comunicação com o usuário, dentro de uma interface.

Os ícones também têm esse papel e, quando bem utilizados, o fazem muito bem!

A questão é que nem toda a comunicação consegue ser feita por meio de ícones. Claro que existem ícones praticamente universais, mas nem sempre eles são reconhecíveis por todos.

Portanto, a utilização do UX Writing é um importante complemento ao design de ícones, estabelecendo uma conexão rápida e eficiente com os usuários.

Dica de Leitura: Design De Ícones – Passo a Passo Para Desenhar Os Ícones De Uma Interface

UX Writing também é Design

O UX Writing faz parte do design

Batendo o martelo nessa questão para não ter dúvidas: UX Writing faz parte do design e tem um um papel fundamental na construção da experiência do usuário.

Em um primeiro momento, quando ouvimos falar sobre textos na interface, talvez não relacionemos esse elemento ao UX. Mas pense em um produto digital, um aplicativo por exemplo, que ao abrir não possui texto algum. Estranho, não?

Sem a parte textual, a navegação e a jornada do usuário vão ficar muito mais difíceis.

O texto faz parte da construção de uma comunicação com o usuário e, por isso, não tratar o UX Writing como parte fundamental do design é um erro que pode custar muito caro para o projeto.

Além disso, escrever uma copy não é a mesma coisa que escrever um artigo completo. A comunicação construída pela copy deve ser concisa, clara e bem estruturada, com a escolha certa de palavras.

Nesse sentido, uma simples frase em um botão pode demorar mais tempo para ser criada porque o esforço para deixá-la eficiente é muito grande.

Se o UX Writing faz parte do design, a forma como ele é colocado na interface também importa. A apresentação visual, a hierarquia, quais palavras serão ressaltadas, tudo isso impacta a leitura, a compreensão e a experiência do usuário.

As diferenças entre a escrita offline e online

O texto e a escrita são meios para passar uma mensagem e estabelecer uma comunicação com as pessoas, de forma geral.

Portanto, as estratégias da escrita dependem do ambiente e do produto no qual ela está sendo usada.

Não é novidade que o offline e o online são dois mundos bastante distintos. Por conta disso, a escrita também possui suas diferenças quando utilizada em cada uma dessas realidades.

Quando falamos sobre escrita offline, temos por exemplo os jornais e revistas especializadas. A narrativa empregada nesse tipo de produto é bem diferente da utilizada em sites ou em aplicativos.

No offline é comum utilizar uma estratégia voltada para relatos do próprio autor, utilizando um storytelling mais complexo e que não necessariamente vai solucionar um problema específico de quem lê.

Por outro lado, o online precisa dessa carga de solução de problemas. Nesse sentido, a estratégia é mais voltada para o usuário e feita de forma mais direta e clara.

Jakob Nielsen explica essas diferenças com um exemplo simples: viagem de avião para pessoas altas.

Em uma revista, um artigo sobre o assunto trará de forma anedótica a experiência do autor com o seu problema de altura e as poltronas pequenas das companhias áreas. Nesse sentido, o leitor tem um papel passivo com a matéria.

No online, o usuário tem mais ação e liberdade para procurar soluções para os seus problemas. Dessa forma, os textos trarão:

  • Dicas de companhias aéreas com melhores poltronas;
  • Como conseguir melhores lugares nos aviões;
  • Qual o melhor avião para uma viagem confortável.

Consegue perceber a diferença?

Dica de Leitura: Como Utilizar o Storytelling Para Você se Destacar em UX Design

Readability e Legibility

Duas questões adicionais que devem ser levadas em consideração no UX Writing, e na escrita online como um todo, são a Readability e a Legibility.

Por definição, Readability é a preocupação em como o texto está estruturado e construído, para que o usuário tenha melhor compreensão do seu conteúdo.

Legibility, por sua vez, está mais relacionado com as formas, cores e o aspecto visual do texto, fazendo com que o usuário saiba distinguir um elemento do outro.

No entanto, é bastante comum os designers usarem Readability como conceito que abrange o aspecto de conteúdo e o estético.

O que influencia a Readability e a Legibility?

Os principais fatores que influenciam a Readability e a Legibility de um texto online são:

  • Cores;
  • Tipografia;
  • Hierarquia Visual.

Cores: É importante ter cuidado na escolha das cores do texto e do seu background. Um fundo claro com letras claras torna o texto praticamente ilegível.

Tipografia: A tipografia trabalha com as cores, tamanhos, fontes e espaçamentos das letras de um texto.

Hierarquia Visual: Trata da ordem e priorização dos textos que serão visualizados pelo usuário. É fundamental para mostrar e destacar o que se considera mais importante para o usuário em determinado momento.

Para entender melhor sobre esses 3 fatores cruciais para a Readability e Legibility de um texto, confira os artigos:

Passo a passo para aplicar o UX Writing

Escrever para interfaces não é a mesma coisa que escrever uma matéria para um jornal ou revista.

Nesse sentido, existem alguns passos fundamentais para considerar quando aplicar o UX Writing:

  1. Pesquisar e entender o contexto;
  2. Escrever de maneira sucinta;
  3. Construir conteúdo escaneável;
  4. Definir cores e tipografia;
  5. Utilizar links para outras páginas;
  6. Revisar;
  7. Testar.
Processo para escrever textos para experiência do usuário

1) Pesquisar e entender o contexto

Antes de desenvolver qualquer texto, é importante entender quem é o seu usuário, qual as necessidades, como ele se comporta e como o produto pode resolver seus problemas.

Pesquisar esses fatores e estabelecer uma persona é fundamental para ajustar o tom e a voz dos seus textos. Aqui, é importante envolver também a área de marketing para definir esses elementos.

Entenda como o próprio usuário se comunica e pesquise palavras e expressões familiares para estabelecer uma conversa mais eficiente e próxima.

2) Escrever de maneira sucinta

Em UX Writing muitas vezes não há a necessidade, e nem o espaço, para escrever textos e frases muito longas.

Nesse sentido, escreva de forma sucinta e expresse em poucas palavras aquilo o que é importante para o usuário, de forma clara e impactante.

Esse trabalho é bastante complicado porque é difícil reduzir o número de palavras de um texto, mantendo sua clareza e objetividade. É natural querer escrever mais do que o necessário.

Tenha em mente que o objetivo do UX Writing é guiar e ajudar o usuário. Fornecer textos longos e redundantes vai prejudicar a experiência e dificilmente as pessoas vão ler tudo o que está escrito.

3) Construir conteúdo escaneável

Esse passo está diretamente relacionado com a Hierarquia Visual.

Ler textos online, em um aplicativo ou qualquer outra interface, é diferente de ler um livro.

A tendência é que as pessoas leiam o conteúdo no Padrão F. Ou seja, escaneiam o texto na vertical e quando se interessam por algo, leem por completo, na horizontal.

Por conta disso, é importante dividir o conteúdo em blocos de textos para facilitar a escaneabilidade pelo usuário. Para isso, utilize subtítulos objetivos e claros. Dessa forma, o usuário entende rapidamente sobre o que será tratado naquele bloco.

Dica de Leitura: Usabilidade – O Que Considerar Em Seu Website?

4) Definir cores e tipografia

Alinhado com a Hierarquia Visual, é importante definir outros componentes de design que vão ajudar na leitura e melhorar a experiência do usuário.

Já mencionamos a importância das cores e da tipografia, portanto, não se esqueça de definir esses elementos antes de finalizar seu processo de UX Writing.

5) Utilizar links para outras páginas

Utilizar links significa adicionar camadas de conteúdo no seu texto.

Um assunto pode conter tópicos ou ganchos para outros temas. Ao invés de explicar tudo em uma página, a estratégia é adicionar links que levam o usuário a outros conteúdos relacionados.

Perceba que a utilização dos links não significa quebrar um assunto no meio ou, então, adicionar um botão de “continue para a página 2”. Mas é uma abordagem para deixar o texto conciso e, ainda assim, guiar o usuário para outras páginas da sua interface.

6) Revisar

Um passo simples, mas muito importante e muitas vezes esquecido.

Ao finalizar uma copy, revise. Se possível, faça mais de uma revisão.

Quando se escreve muito, é normal que aconteçam pequenos erros, mas isso não significa que a pessoa não saiba escrever.

Os erros podem ser de digitação ou até mesmo de uma palavra que não faça tanto sentido para aquele contexto ou persona.

Portanto, revisar é um passo importante no processo de UX Writing para garantir que a experiência do usuário não seja impactada por pequenos erros.

7) Testar

Como todo processo em UX Design, é importante também testar as copys que foram desenvolvidas.

É bastante comum utilizar testes A/B para entender quais textos foram mais eficientes do que outros e, caso seja necessário, efetuar os ajustes pertinentes.

Outras dicas e boas práticas em UX Writing

Desenvolver um UX Writing eficiente requer muita experiência e estudos. Além do processo fundamental que descrevemos, existem outras dicas e boas práticas que vão te ajudar a criar copys melhores.

Evite duplo negativos

Duplos negativos confundem o usuário e aumentam a sua carga cognitiva.

  • Exemplo: Eu não quero cancelar essa ação

Comece com o objetivo da ação

Comece sempre com o objetivo e o resultado da interação.

  • Bom: Para acessar sua conta, clique aqui.
  • Ruim: Clique aqui para acessar a sua conta.

Seja consistente

O UX Writing faz parte do design. Por isso, é fundamental que haja consistência entre as palavras.

Se, em um site de turismo, foi utilizada a palavra Agendar na página principal, não há motivo para escrever Programar em outras páginas.

Dica de Leitura: Padronização Em UI – Design De Interfaces Consistentes

Evite jargões

A não ser que os usuários estejam acostumados com os termos, não utilize vocabulário técnico e de difícil compreensão.

Os jargões podem prejudicar a comunicação e a experiência na interface, justamente por deixar as pessoas confusas sobre seus significados.

Use números

Ao invés de palavras.

  • Bom: Você tem 4 novas mensagens;
  • Ruim: Você tem quatro novas mensagens.

Escreva as interações com clareza

As copys de botões, menus e outros elementos interativos devem ser objetivas para não surpreender o usuário. Evite palavras e expressões muito abertas.

  • Bom: Conectar
  • Ruim: Ok

Utilize listas e bullet points

Esses recursos ajudam na Legibility e tornam os textos mais escaneáveis e agradáveis de ler.

Escreva para criar diálogos naturais

A proposta do UX Writing é comunicar para melhorar a experiência do usuário. Portanto, entenda qual a melhor forma de estabelecer diálogos naturais com eles.

Pesquise expressões e formas de linguagem que façam parte do contexto dos usuários. Quanto mais natural for o diálogo, melhor será a experiência na interação.

Não deixe de pensar e utilizar o UX Writing e as dicas que escrevemos nesse artigo. A comunicação e a experiência do usuário não são feitas apenas com imagens. Os textos são essenciais para tornar a jornada do usuário mais fluida e com menos atrito.

Se você gostou desse conteúdo não se esqueça de clicar em curtir e compartilhar! Esse pequeno gesto ajuda bastante no nosso trabalho! Fique à vontade para continuar navegando aqui e, caso queira receber nossos conteúdos por email, inscreva-se na nossa newsletter!


Cursos

Nosso maior orgulho é todo mês ter alunos e alunas contratados em grandes empresas e em países como
Brasil, Estados Unidos, Irlanda, Alemanha, Espanha, Portugal, Áustria, Rep. Tcheca, Nova Zelândia e Canadá.