O Mercado de Games Para UX Design

A área de Games bem pouco explorada no Brasil, basicamente por não termos um grande desenvolvimento dessa indústria no país. Mas a verdade é que o mercado de UX Design nas empresas de games também vem crescendo cada vez mais. Os principais estúdios no mundo entendem a importância de um time de UX bem estruturado. Entenda um pouco mais sobre o mercado de games, neste artigo!
O Mercado de Games Para UX Design

Não sei você, mas eu sou gamer de carteirinha desde criança. Com uns 9 ou 10 anos me lembro de passar horas e horas jogando Full Throttle com meu tio, em um super computador 486 (Não sabe o que é? Joga no Google ai que você vai ver como esse computador era potente rs, ao menos para época era muito!).

Desde então nunca parei. Joguei os primeiros MMORPG no computador; por alguns anos estive, diariamente, jogando Ultima Online (onde inclusive tive meu primeiro contato e aprendizado com programação); e, logicamente, tive o prazer de jogar em diversos consoles, desde o Atari até o Xbox Series X, meu atual.

Então, caso você seja igual a mim, goste bastante de jogos e já seja um profissional de UX ou está se preparando para entrar na área, te pergunto: Quanto você já parou para observar sobre a experiência de jogos que ficou por horas e mais horas jogando? Se você ainda não fez isso, recomendo fortemente que você passe a prestar mais atenção nisso!

Games para celular

Será que jogar um MMORPG em um iPhone é a mesma experiência de se jogar em um PS4, ou em um PC? É claro que não!

Se você está achando estranho eu comentar sobre UX Design para jogos de RPG online no celular, dá uma olhada na interface do Lineage 2: Revolution, jogo que está fazendo muito sucesso no mundo atualmente. E você pode instalar em seu iPhone ou Android.

Lineage 2: Revolution

Observe bem essa imagem, olhe quantos elementos de interface o usuário precisa prestar atenção.

Já parece muita coisa se pensarmos em um jogo para PC, não é mesmo? Mas no PC o usuário já está acostumado a ter mil coisas, a prestar atenção em diversas teclas de atalho, principalmente em jogos de RPG online. Mas deixe me lembrá-lo que essa tela é de um MOBILE!

Vamos verificar como fica a tela de uma batalha acontecendo. Algo bem natural para esse tipo de game, certo?

Lineage 2: Revolution

Ao olhar essa imagem, nossa primeira impressão pode ser algo do tipo: MUITA COISA! SURREAL!

Mas a verdade é que esse game só cresce e os jogadores estão cada vez mais satisfeitos. Inclusive ao realizar batalhas pelo celular, transformando seus dedos e o touch em um controle complexo para o jogo.

Dica de Leitura: UX Design em Games – Como Melhorar a Experiência do Jogador

Qual a importância de UX Design para games?

É bem comum as empresas de games montarem um time de UX design tendo em mente apenas a parte de UI, o que nesse caso, é bem gráfico e com diversos elementos.

Isso não acontece com exclusividade nas áreas de produto, e arrisco dizer que com game isso seja um pouco mais complicado, pois os super gráficos chamam atenção e têm sim muita importância. Por isso, acredito que esse seja o motivo de diversas empresas anunciarem vagas para UX Designers, com a expectativa de, na verdade, contratar um designer que irá cuidar de todo visual da interface.

Qual a diferença de uma UX para Games?

A grande questão é, diferente de um aplicativo de Banco, que mesmo tendo uma UX ruim, você ainda fará bastante esforço para conseguir utilizar uma operação, pois você precisa daquele serviço. Isso não acontecerá com um game.

No caso de um site ou app de Banco, estamos falando de algo muito sério e de altíssima importância, e que você precisa realizar aquela transferência bancária e não irá deletar o app e mudar de banco instantaneamente apenas pela UX do app ser ruim. (Sim, você pode vir a sair do banco por causa disso se repetir em diversos momentos, mas irá levar alguns meses ou até anos para isso acontecer, certo?).

Esse é o principal diferencial da área de games, e do user experience para games. Se o game tiver uma experiência frustrante, muito provavelmente você irá fechar (possivelmente deletar, se for um app no celular) e para você abrir novamente, dando uma segunda chance para o produto, em geral, algo precisa acontecer, como:

  • Alguma campanha de marketing muito forte que te chamou atenção, e te fez repensar;
  • Algum amigo seu está jogando e te falou como está se divertindo muito com o jogo.

Pois é, na industria do game, a palavra-chave é diversão. E para isso acontecer a experiência do jogador precisa ser ótima.

É claro que os objetivos de business precisam também ser colocados na balança (olha eu aqui, novamente, falando do lado de business), ou a empresa que fez o game irá quebrar e o jogo será descontinuado.

Recomendo que você assista a essa palestra da Ellie Moon, UX Director da Kabam, responsável pelo jogo mobile Marvel: Contest of Champions.

Dica de Leitura: Jogos de Terror: Como Utilizar UX e UI para Aterrorizar?

Links interessantes para leitura

Se você tem interesse na área de UX design para games, vou deixar aqui alguns links bem relevantes para leitura.

Lembrando que, mesmo sendo uma área com pouco espaço no mercado de trabalho Brasileiro, se este for o caminho que você quer seguir, existe muito espaço no mercado internacional.

Inicialmente, esse mercado é dominado pelos Estados Unidos e Canadá, mas também com algum crescimento em países da Europa (eu mesmo tive a chance de conversar com uma empresa de AAA Game aqui em Praga recentemente, mas acabei optando por não seguir o caminho nessa área).

Além disso, segue o link de 3 livros que parecem ser muito bacanas para quem se interessa pela área:

Se você gostou desse conteúdo não se esqueça de clicar em curtir e compartilhar! Esse pequeno gesto ajuda bastante no nosso trabalho! Fique à vontade para continuar navegando aqui e, caso queira receber nossos conteúdos por email, inscreva-se na nossa newsletter!

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Cursos

Temos orgulho de ter todo mês novos alunos contratados em países como Brasil, Irlanda, Portugal, Áustria, Nova Zelândia e Canadá.