Redesign: Você Tem Certeza?

Você já passou pela situação de pensar no redesign de algum produto? Mas será que essa decisão foi tomada com base em pesquisas? Por que você faria? Continue a leitura para entender porque devemos pensar muito bem antes de fazer um redesign.
Redesign: Você Tem Certeza?

A situação é comum: surge a ideia de fazer o redesign de um produto. Seja dada pelo cliente ou pela proatividade do Designer. Mas a pergunta que deve ser feita antes de começar o trabalho é: será que é realmente necessário fazer todo o redesign desse produto? Com base em quais pesquisas essa solicitação foi feita? Será que algumas melhorias não são suficientes? Não haverá riscos?

Continue no artigo para saber as respostas para estas perguntas!

Por que fazer um redesign?

Quando o cliente fizer uma solicitação de redesign do produto, a primeira pergunta que deve ser feita é: Por que você deseja fazer esse redesign?

Alguns clientes têm a sensação de que o site/produto/aplicativo ficou ultrapassado ou tedioso. Mas não possuem necessariamente alguma pesquisa ou prova de que o design atual está com baixo desempenho.

Há casos onde o cliente apenas se cansou do design atual ou, então, acha que esta sendo deixado para trás pelo design dos concorrentes.

Portanto, como Designer, é muito importante questionar os motivos pelos quais surgiu a solicitação de redesign.

Justificativas para o redesign

Antes de começar o trabalho, é preciso entender exatamente os motivos que levaram o cliente a solicitar o redesign.

Como empresa, o design do produto deve estar alinhado com seus objetivos. Seja aumento da receita, taxa de conversão, aumento do market share e etc.

Dessa forma, para que o redesign seja efetivo, a empresa precisa de dados e informações que ajudem a embasar o projeto.

Podemos citar alguns exemplos de indicadores que as empresas podem usar para verificar a necessidade de um redesign:

  • Diminuição das vendas e da receita;
  • Baixa taxa de conversão;
  • Redução do market share;
  • Diminuição da taxa de cliques;
  • Redução do número de downloads do produto;
  • Redução do tempo do usuário na interface.

Os indicadores acima são somente alguns exemplos. Cada empresa deve analisar os indicadores que melhor se aplicam ao seu negócio.

Caso a análise demonstre que há, realmente, uma oportunidade de melhoria nos resultados da empresa se houver a alteração do design atual, estaremos seguros de que a solicitação faz sentido.

Dica de Leitura: Dashboard – Como Criar o Design de Dados e Informações?

Coletando novas informações

Refazer um design não é simples. Não basta alterar alguns aspectos do produto aleatoriamente. Há a necessidade de fazer pesquisas, estudos e testes, novamente.

Portanto, preocupar-se em efetuar novas pesquisas com usuário e alinhar os resultados com os objetivos da empresa, é fundamental.

Basicamente, a ideia é voltar para a parte estratégica e de planejamento do design.

Uma ferramenta que pode ajudar bastante a percorrer a fase de planejamento é a Jornada do Usuário.

Com ela, é possível mapear todos os pontos de interação do usuário e identificar possíveis falhas e oportunidades de melhoria.

Dica de Leitura: Benchmarking – Como Efetuar a Análise de Competidores em UX Design?

Novo design ou mudanças no design atual?

Talvez a primeira solução que venha a cabeça seja redesenhar todo o produto para melhorar seu desempenho.

Contudo, deve-se avaliar, em um primeiro momento, a possibilidade de fazer mudanças incrementais que possam cobrir os gaps de desempenho do produto.

Antes de pensar em fazer todo o redesign, algumas questões devem ser respondidas:

1) Será que pequenas mudanças já não são o suficiente?

Com base nas pesquisas, jornada do usuário e nas análises dos indicadores, será que apenas uma mudança na interface não é o suficiente?

Talvez, não haja a necessidade de se mudar 100% um produto. Uma pequena mudança talvez seja muito mais eficiente.

2) Será que não estou preso a um viés estético?

Devemos evitar cair na tentação de mudar todo um design por conta das nossas ideias estéticas.

Ao menor sinal de redesign, podemos nos sentir inclinados a usar diversas ferramentas e soluções para mudar totalmente a estética do produto, acreditando, sem base fundamental, que tais mudanças melhorarão o desempenho.

O importante, novamente, é analisar os dados e tomar a decisão baseada neles;

3) Não é mais caro fazer um novo design ao invés de pequenas melhorias?

Qual é o custo benefício de um redesign?

Além de custos financeiros maiores, existe o risco de grande parte dos usuários não gostar do novo design; ou de criticar bastante as mudanças.

O usuário, normalmente, não gosta de mudanças. No caso de pequenas melhorias sejam suficientes, opte por elas ao invés de um design novo por completo.

Jakob Nielsen, um dos fundadores da NN/g, dá algumas dicas para reduzir a aversão dos usuários a mudanças. Veja o vídeo:

Quando um redesign é realmente necessário?

Apesar de trazer grandes riscos e ter um custo mais elevado, o redesign pode ser necessário em alguns casos.

  1. Quando as mudanças incrementais não mais melhoram o produto: um produto pode ter passado por uma série de mudanças incrementais ao longo de sua história. Após muitos anos, pode ser que nenhuma mudança incremental traga mais resultados como antes. Quando isso acontecer, o redesign deve ser considerado;
  2. A tecnologia do produto já ficou ultrapassada: a tecnologia do produto pode estar ultrapassada e não suporte mais nenhuma melhoria que atenda às novas necessidades dos usuários. Dessa forma, o redesign total pode ser uma forma de continuar com o produto;
  3. O produto não corresponde em nada com as expectativas do usuário: depois de diversas tentativas de melhorar a interação do usuário sem sucesso, e dos objetivos da empresa mudarem constantemente, talvez a solução seja, realmente, efetuar o redesign do produto.

Apesar das situações acima levarem a decisão de efetuar o redesign, é sempre aconselhável analisar todos os dados e pesquisas para que a decisão seja mais assertiva possível.

Dica de Leitura: Brainstorming – Técnicas Para Destravar Suas Ideias

Quais os riscos de em redesign desnecessário?

Assim como a assertividade de um novo design ou de uma melhoria incremental podem trazer bons resultados, o redesign pode ter o efeito contrário se feito desnecessariamente.

  • Perda de usuários: os usuários em geral não gostam de mudanças, pois significa que eles terão um novo aprendizado. Uma mudança grande no design de um produto pode fazer com que o número de usuários diminua;
  • Altos custos: efetuar o redesign possui um alto custo. Para efetuar as pesquisas, os testes e tempo da equipe. Portanto, há perda de dinheiro caso o redesign seja feito irresponsavelmente;
  • Piorar o produto e a experiência do usuário: certamente um dos grandes riscos do redesign. Caso o novo design seja feito sem pesquisas e sem a atenção e análise necessária, o resultado final pode afetar diretamente a experiência do usuário. Dessa forma, o design acaba agindo de forma completamente contrária. Ao invés de melhorar o produto, acaba por piorá-lo.

Dica de Leitura: O UX Design Limita a Criatividade?

Redesign é um assunto sensível. As empresas e os próprios designers não devem fazer novos designs sem argumentos e pesquisas sólidas. Mudar inteiramente o design de um produto está relacionado com ferramentas, técnicas e dados. É uma decisão difícil e não deve ser tomada de forma irresponsável.

Se você gostou desse conteúdo não se esqueça de clicar em curtir e compartilhar! Esse pequeno gesto ajuda bastante no nosso trabalho! Fique à vontade para continuar navegando aqui e, caso queira receber nossos conteúdos por email, inscreva-se na nossa newsletter!

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Cursos

Temos orgulho de ter todo mês novos alunos contratados em países como Brasil, Irlanda, Portugal, Áustria, Nova Zelândia e Canadá.