Jogos de Terror: Como Utilizar UX e UI Para Aterrorizar?

O sucesso dos jogos de terror abre duas perguntas intrigantes: por que o terror e o medo conseguem conquistar os fãs? E como UX e UI Design podem contribuir para que a experiência do jogador seja a melhor — e mais aterrorizante — possível? Continue a leitura, se tiver coragem!
Jogos de Terror: Como Utilizar UX e UI Para Aterrorizar?

O Terror/ Horror é um gênero que nunca sai de moda. Desde os clássicos filmes trash dos anos 80 até o jogos mais elaborados e assustadores da atualidade.

O gênero foi evoluindo e, hoje, jogos de terror são muito mais do que meros sustos espalhados durante a partida.

Nesse sentido, o UX e o UI Design são bastante importantes no desenvolvimento de jogos de terror para garantir que o jogador tenha muito mais do que apenas sustos, mas uma verdadeira experiência aterrorizante.

Continue a leitura para entender como utilizar o UX e UI Design em jogos de terror!

Por que o terror é fascinante?

Quando o assunto é terror, pode ser um pouco difícil de entender o porquê desse gênero — de filmes e jogos — atrair tantas pessoas e fazer bastante sucesso.

Nesse sentido, por que as pessoas gostam de sentir medo e de se assustar?

O medo é um mecanismo de defesa presente em todos os animais, cujo objetivo é preservar a nossa existência. Se nós tivéssemos medo de absolutamente nada, a humanidade já teria sido extinta há muito tempo.

No entanto, mesmo proporcionando essa sensação desagradável, os jogos de terror estão cada vez mais famosos e mais realistas. Isso acontece por três motivos:

  1. O medo na ficção — seja em jogos, filmes ou livros — é finito. Nós sabemos que em determinado momento as coisas vão se resolver. Ou, no máximo, podemos parar de jogar, fechar o livro ou sair do cinema. Dessa forma, entendemos que esse tipo de medo não traz risco para nossa sobrevivência;
  2. Após situações de tensão e sustos, o nosso corpo libera dopamina, que é responsável por trazer sensações de prazer. Ou seja, querendo ou não, sentir medo desperta momentos prazerosos;
  3. A curiosidade sobre o paranormal ou mistérios pode sobrepor o medo. Logo, uma história intrigante prende a atenção e faz com que encaremos nossos medos.

Levando esses motivos para a esfera de UX/ UI em jogos de terror, entendemos que é crucial desenvolver uma interface que contribua para que a experiência do jogador seja imersiva e que proporcione tensão e sustos na medida certa.

Dica de Leitura: Como A Psicologia É Essencial Para Seus Projetos de UX Design?

A imersão no jogo e o UI Diegético

A imersão é um ponto crucial no desenvolvimento de games, especialmente em jogos de terror.

Caso o jogador não se sinta conectado com o enredo e com os personagens, a possibilidade dele se frustrar com a experiência é muito grande.

Nesse sentido, o UI Design tem um papel bastante importante no desenvolvimento de jogos de terror para garantir que essa imersão do jogador aconteça.

Para tanto, é importante conhecer um conceito de narrativa chamada Diegese.

A diegese e a quebra da parede de vidro

A Diegese é um conceito de narrativa que trabalha a imersão das pessoas no mundo real — no caso, os jogadores — com o personagem do mundo fictício.

Um bom exemplo é imaginar um personagem que entrou em um carro, ligou o rádio e começou a ouvir uma música. Nesse momento, a música faz parte do mundo fictício, pois está acontecendo com o personagem.

No entanto, no plano seguinte, a câmera sai de dentro do carro e começa a acompanhar seu trajeto de fora. Nesse momento, a música que o personagem ouvia no carro, se expande e continua a tocar para que nós, no mundo real, continuemos a ouví-la.

Perceba como a música que o Peter Parker ouve se torna parte da nossa experiência

Essa quebra entre o que acontece no mundo da ficção e no mundo real é a diegese. É como se não existisse o vidro entre nós e eles, fazendo com que não sejamos apenas telespectadores, mas também vivamos a trama.

Dessa forma, esse conceito de narrativa é bastante importante para proporcionar uma imersão mais profunda em jogos de terror.

Um bom exemplo de uso de diegese é o jogo Dead Space.

Dead Space

Dead Space é um jogo de terror cuja interface proporciona uma experiência de imersão bastante interessante.

Nesse sentido, informações importantes sobre o personagem e seus itens, tais como nível de vida e munição, não são dispostos na tela como se estivesse à mostra apenas para nós, jogadores.

Ao invés disso, as informações foram colocadas de forma diegética e mais imersiva no jogo.

Os pontos luminosos na coluna do personagem representam seu nível de vida

O nível de vida do personagem é medido através dos pontos luminosos existentes em seu traje. Dessa forma, essa informação está dentro e fora do jogo, sendo parte da história e, ao mesmo tempo, necessária para o jogador.

O mesmo acontece com o nível de munição. É bastante comum em jogos de tiro, o nível da munição ficar sempre presente na tela. Em Dead Space, no entanto, o nível de munição só aparece quando o personagem usa a arma efetivamente.

O nível de munição só é visto quando a arma é utilizada

Além disso, diversos outros aspectos foram desenvolvidos para proporcionar esse mesmo tipo de imersão para os jogadores. Os menus do jogo, por exemplo, ao serem acessados, não pausam a partida. Ou seja, o personagem pode sofrer algum ataque enquanto está navegando pelo menu. Bastante imersivo, não?

Se o jogo não tivesse elementos diegéticos, a tela seria bastante poluída e atrapalharia a imersão do jogador Fonte: Drone Punk

Dica de Leitura: Um Pequeno Guia Sobre UI Design

5 elementos essenciais em jogos de terror

Como vimos, o UX/UI em jogos de terror são essenciais para proporcionar a imersão do jogador, melhorando a sua experiência com o jogo.

Nesse sentido, alguns elementos são fundamentais em jogos de terror, para contribuir com essa imersão.

1) Elementos visuais e sonoros

Os elementos visuais e sonoros em jogos de terror são responsáveis por criar uma atmosfera — entre outras palavras — sinistra, em partes desfavorável para o jogador.

No aspecto visual, trabalhar com as luzes é bastante interessante para criar essa atmosfera mais horripilante. Jogos como Amnesia trabalham com muito bem com a luz, ou a falta dela. Geralmente, o personagem possui uma limitação visual dada ao ambiente escuro a sua volta. Nesses casos, uma fonte de luz ilumina apenas a si mesmo e poucos metros ao seu redor.

Amnesia: The Dark Descent

Além disso, para criar um ambiente visualmente sinistro, trabalhe com cores, sombras e brilho. Um lugar com aspecto decadente, com cores menos brilhantes e com sombras "vivas", traz aquela sensação incômoda de estar no lugar errado na hora errada. E às vezes você está mesmo.

Jogo: Amnesia:The Dark Descent

A parte visual é importante, mas ela sozinha não é suficiente. Por isso que elementos sonoros são igualmente fundamentais em jogos de terror. Você já experimentou ver um filme de terror no mudo, ou com o CD da Xuxa rolando? Pois é, fica até engraçado, não é?

Nesse sentido, experimente sons que brinquem com a imaginação do jogador. Mais aterrorizante do que ver um fantasma, é ouvi-lo se aproximando.

Os barulhos de Silent Hill 3

Ainda, é importante considerar também o som de background do jogo, tanto em trilha sonora quanto em sons ambientes.

Utilizar a música para criar a antecipação de um evento também é fundamental. A partir do momento que o jogador ouve um som específico ou uma música diferente, ele vai imaginar diversas situações e isso fará com que ele fique tenso e com medo.

Dica de Leitura: Dicas Para Criar Interfaces Funcionais com o Design Visual

2) Controle da tensão do jogador

Entendemos que os elementos visuais e sonoros de um jogo de terror são fundamentais para criar tensão no jogador.

No entanto, da mesma forma com que criar tensão é importante, saber aliviar esse estresse também é fundamental para melhorar a experiência do jogo.

Sem o alívio da tensão, o jogador não irá sentir aquele prazer que comentamos no começo deste artigo, proporcionado pela dopamina.

Dessa forma, é importante saber quando e de qual forma desenvolver esses momentos de alívio — seja ao encontrar uma zona segura, um aliado, ou resolver a parte de um quebra-cabeça.

3) Controle do jogador

O controle do jogador em jogos de terror se refere a habilidade de escolha entre lutar ou fugir de uma ameaça.

É importante ser clara a noção de desequilíbrio de forças entre o personagem/jogador e qualquer intimidação, seja por uma situação ou por um vilão.

É nesse aspecto que os jogos de terror se diferem de jogos de ação, por exemplo. Nos jogos de terror há essa diferença de força, enquanto que nos jogos de ação as habilidades entre heróis e vilões são praticamente as mesmas.

Fuga do monstro da água

Dessa forma, reduzir as capacidades do jogador, entregando-lhe armas rústicas ou quase ineficientes, por exemplo, cria mais tensão e pavor em sua jogabilidade.

4) Mantenha a ansiedade do jogador

Bastante em linha com o controle da tensão e controle do jogador, manter a ansiedade durante o jogo é fundamental para que a experiência não se prejudique ao longo da história.

Nesse sentido, é importante que os desenvolvedores e designers criem situações diferentes ao longo do jogo, reduzindo padrões que possam tornar o jogo mais previsível.

Usar as mesmas músicas, fazer com que vilões apareçam nas mesmas situações, usar os mesmos tipos de monstros, faz com que o jogador se acostume com esses padrões e perca a tensão e o medo do jogo.

Dessa forma, manter a ansiedade do jogador, fazendo com que ele não saiba o que esta por vir, nem qual o tamanho do desafio que virá em seguida, faz com que a tensão e o medo permaneçam durante toda a experiência.

Portanto, sejam criativos e fujam dos padrões durante o desenvolvimento de um jogo de terror. Lembre- se de que a ansiedade é o medo do que ainda não aconteceu.

Dica de Leitura: Como ser Imparcial em Seus Projetos de UX Design?

5) Jump Scare

O Jump Scare é um dos elementos mais famosos em filmes e jogos de terror. E, muitas vezes, ele é utilizado como único recurso destes projetos.

Este elemento trata de uma interrupção no fluxo do jogo, onde há um pico nas emoções do jogador causado exclusivamente por um susto.

Nesse sentido, este elemento é bastante controverso por ser usado fora de contexto, somente como um recurso para assustar as pessoas. Por conta disso é que podemos ouvir dizer que o Jump Scare é uma ferramenta de jogos de terror preguiçosos.

No entanto, é importante lembrar que este recurso é relevante sim, se usado de forma a complementar à história e aos outros momentos de tensão causados pelo jogo.

Dessa forma, seu uso não pode ser banalizado, mas sim utilizado de forma consciente e que aumente as tensões e melhore a experiência do jogo, ao invés de ser usado como único recurso aterrorizante.

Jump Scare

O gameplay também importa

Até agora, neste artigo, vimos os motivos de jogos de terror serem tão populares e como o UX e UI Design devem trabalhar alguns elementos para garantir uma boa imersão e experiência do jogador dentro da história.

No entanto, trabalhar apenas com esses elementos visuais, sonoros e criar tensão e ansiedade não são o suficiente para desenvolver um bom jogo de terror.

É importante entender a dinâmica do jogo e qual é o ciclo do gameplay, para, dessa forma, despertar mais interesse nos jogadores e não fazê-los desistir de jogar.

A imagem acima ilustra de forma simples quais são as partes básicas de um gameplay.

Dessa forma, é preciso que essas regras e fluxos estejam bem trabalhados para garantir uma melhor experiência em termos de jogabilidade.

Com essa estrutura bem clara, você consegue encaixar os elementos de tensão e ansiedade em determinados momentos do gameplay.

Por exemplo, para criar tensão e Jump Scare os melhores momentos são esses:

Portanto, para o sucesso de um jogo de terror, não basta apenas proporcionar momentos assustadores e pavorosos para o jogador. É importante criar uma boa narrativa para que haja engajamento na história, tendo como base a estrutura de gameplay e jogabilidade apresentada.

Dica de Leitura: O Que É Lean UX E Como Usá-lo Em Seus Projetos de UX Design?

Jogos de terror para conhecer e estudar

Apesar de UX e UI Design serem profissões que exigem bastante conhecimento teórico, é claro que a parte prática também é essencial para o desenvolvimento das habilidades.

Nesse sentido, separamos alguns jogos de terror bastante interessantes para vocês aperfeiçoarem os seus estudos — nos agradeçam depois por isso!

1) Alien: Isolation

Fonte: Microsoft

Alien: Isolation é um belo exemplo de como causar terror sem utilizar Jump Scares demais. Toda a parte de interação com o jogo é o que faz com que a história fique bastante aterrorizante.

2) Dead Space

Fonte: EA

Já citado como exemplo neste artigo, Dead Space é um jogo cujo UI é bem desenvolvido e permite uma imersão completa no jogo.

Preste atenção nos momentos de interação, nas guias luminosas no chão e nos benchs. Não à toa o jogo seguiu com duas sequências e três spin-offs até o momento

3) Silent Hill

Fonte: Clube do Video Game

Silent Hill é um jogo em que você se encontrará vulnerável em diversas situações e em lugares bastante claustrofóbicos.

Tudo isso ajuda a criar um clima de tensão e, para melhorar, a parte sonora do jogo é de dar arrepios.

4) Five Nights At Freddy's

Fonte: TechTudo

O aspecto e visual mais simples podem enganar em um primeiro momento, mas Five Nights At Freddy's é um jogo de terror bastante aterrorizante.

A narrativa em bastante sólida e faz com que o jogador engaje profundamente na história. Além disso, o jogo foi feito para assustar de uma maneira bastante sistemática.

Vale a pena conferir.

5) Amnesia: The Dark Descent

Fonte: Epic Games

Amnesia trabalha bastante a questão da vulnerabilidade, uma vez que você não consegue lutar diretamente contra os monstros e vilões.

Com isso, somado aos encontros, fugas e perseguições fazem com o que o jogo traga bastante tensão ao jogador.

6) The Medium

Fonte: XBOX BR

O jogo The Medium será lançado até o final deste ano — 2020. No momento, você pode realizar a reserva do jogo na pré-venda. Ele faz parte dos novos jogos de uma nova era de consoles.

A história do The Medium se passa em dois mundos: o real e o espiritual. Você deve resolver os mistérios do jogo usando as habilidades psíquicas de seu personagem e, além disso, enfrentar o monstro The Maw.

The Medium promete ser um intenso jogo de terror psicológico, com um gameplay e trilha sonora incríveis.

Se você gostou desse conteúdo não se esqueça de clicar em curtir e compartilhar! Esse pequeno gesto ajuda bastante no nosso trabalho! Fique à vontade para continuar navegando aqui e, caso queira receber nossos conteúdos por email, inscreva-se na nossa newsletter!

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Cursos

Temos orgulho de ter todo mês novos alunos contratados em países como Brasil, Irlanda, Portugal, Áustria, Nova Zelândia e Canadá.
Faça parte da comunidade Aela no Telegram!
Receba nossos conteúdos e notícias em primeira mão