UX/UI Design: Vale a Pena Migrar Em 2021?

2020 foi um ano que nos pegou de surpresa. A crise causada pela pandemia parou diversos mercados e empresas. Mas será que essa tendência também atingiu a área de UX Design? Ou será que a digitalização forçada das empresas manteve o mercado em busca de profissionais? Continue no artigo, entenda melhor os dados e saiba se em 2021 vai valer a pena migrar para UX/UI Design!
UX/UI Design: Vale a Pena Migrar Em 2021?

Assim como em qualquer ano, no começo de 2020 nós fizemos planos e promessas.

Muitas delas, inclusive, poderiam estar relacionadas a mudanças profissionais e de carreira.

No entanto, não sabíamos que o ano seria marcado por uma grande crise sanitária e isso fez com que nossos planos fossem postergados.

Nesse sentido, devido a todas as paralisações e incertezas, será que ainda vale a pena pensar em migrar de carreira em 2021?

Não podemos analisar todos os mercados, mas conseguimos olhar para o mercado de UX Design e tentar responder essa pergunta da melhor forma para você!

A pandemia e as transformações digitais

Se no final de 2019 alguém nos dissesse que 2020 traria consigo uma grande crise sanitária, altos índices de desemprego e grande incerteza econômica, provavelmente riríamos na cara desse profeta.

Infelizmente, 2020 veio e nos surpreendeu com tudo isso e ainda não temos certeza sobre como serão os próximos anos.

Dessa maneira, por conta dessa crise instalada, muitas empresas viram a necessidade de mudar o seu negócio para seguirem competitivas e sobreviverem a esse ano de pandemia.

Nesse sentido, as grandes mudanças que empresas vêm implementando estão relacionadas à tecnologia e transformações digitais.

Apesar de inovações estarem sempre em pauta e serem implementadas na maioria das empresas, em épocas normais, esses projetos levam anos e as mudanças são bem lentas.

No entanto, por pura necessidade, muitas empresas estão promovendo transformações de décadas em meses, e isso representa um grande avanço para o digital e para o estabelecimento de uma nova mentalidade de fazer negócios que, provavelmente, veio para ficar.

Mas o que exatamente tem mudado nas empresas? Qual é o impacto que a pandemia têm trazido para as organizações? Essas mudanças são positivas para o mercado de UX?

Qual o efeito que a covid-19 tem causado nas empresas?

A empresa de consultoria McKinsey promoveu um estudo para entender quais são as principais mudanças sentidas pelas empresas por conta da Covid-19.

A primeira conclusão é que o comportamento dos consumidores mudou bastante. Por conta da necessidade de distanciamento social, muitas pessoas começaram a utilizar produtos e serviços digitais.

Apesar dessa mudança já estar acontecendo antes da pandemia, a crise de 2020 acelerou este processo em anos.

Fonte: McKinsey

Conforme mostrado no gráfico acima, o mundo acelerou a utilização e interação com produtos digitais em 3 anos. Todas as regiões estudadas mostraram um grande salto, em especial a Ásia.

Além disso, as empresas que não possuíam seus produtos ou serviços digitalizados, tiveram que se adaptar a essa nova realidade.

No entanto, essa adaptabilidade foi bastante diferente entre setores. Nas empresas de bens de consumo embalados, automotivas e de montagem, essa transformação se demonstrou mais lenta. Em contrapartida, nos mercados farmacêutico, financeiros e serviços, o salto na digitalização de produtos foi bem maior.

Fonte: McKinsey

Nesse sentido, as empresas que já atuavam em mercados que já possuíam produtos digitais tiveram mais facilidade para migrar mais ou totalmente o seu portfólio.

Portanto, conseguimos perceber a relação entre as novas necessidades das empresas com o mercado de UX Design. Para atender a grande mudança de comportamento dos consumidores e conseguir digitalizar seus produtos e serviços, as organizações precisam de profissionais da área.

Dica de Leitura: 10 passos para te ajudar a migrar para UX Design

Mas essas mudanças vieram para ficar?

Os respondentes da pesquisa feita pela McKinsey indicaram que suas empresas tiveram grandes mudanças como:

  • aumento do trabalho remoto;
  • os consumidores e usuários mudaram suas necessidades e comportamentos;
  • aumento nas interações com produtos digitais.

Nesse sentido, as empresas que tiveram essas mudanças de forma bastante significativa, também tendem a acreditar que essas transformações aconteceram de forma permanente. Ou seja, o status pré-crise não tem grandes chances de voltar no pós-crise.

Fonte: McKinsey

Conforme o gráfico acima, podemos ver que os respondentes da pesquisa tendem a acreditar que grandes mudanças permanecerão em suas empresas. Principalmente:

  • comportamento e as expectativas dos consumidores;
  • o trabalho remoto;
  • migração de ativos para armazenamento em nuvem;
  • a demanda por compras e serviços online.

Novamente, traçando um paralelo com o mercado de UX Design, podemos acreditar, por conta da análise desses dados, que as empresas necessitarão de Product Designers continuamente em seus projetos, no pós-crise.

Outro ponto positivo é a mudança de mindset provocada por essas transformações abruptas.

O estudo identificou que grande parte das empresas respondentes diz que o investimento em tecnologia e o foco no mercado digital são agora suas prioridades. Ao contrário de anos atrás, em 2017, quando a mentalidade era de redução de custos na área digital.

Fonte: McKinsey

Ou seja, a pandemia e a crise advindas da Covid-19 proporcionaram grandes transformações digitais nas empresas e, com isso, mudaram também a sua mentalidade e maturidade com relação ao digital.

Para o mercado de UX Design, essas mudanças são bastante significativas e demonstram que as empresas começaram a dar mais valor para essa área e para esses projetos digitais.

Então, UX Design irá prosperar?

Observamos as grandes mudanças que impactaram as empresas e os mercados como um todo, por consequência da Covid-19.

Nesse sentido, os estudos indicaram que as mudanças e as necessidades de investimento na área de tecnologia e de produtos digitais vieram para ficar.

Mas esses resultados realmente significam um impacto positivo para UX Design?

Para colher informações sobre quais as perspectivas com relação ao futuro do UX/UI, a empresa UX Design Institute promoveu uma pesquisa com diversos profissionais de peso do mercado.

Os resultados dessa pesquisa parecem bem promissores:

1) Mais demanda para habilidades em UX

Segundo a pesquisa, a perspectiva é que haja um aumento na demanda por profissionais com habilidades em UX e digital.

Isso acontecerá muito por conta da expansão das empresas no meio digital, dada as novas necessidades e comportamento dos usuários.

Além disso, essa demanda por profissionais existirá tanto para agências quanto para times internos das empresas. Logicamente, o aumento do investimento em produtos digitais também aumenta a pressão pelas entregas e pelas habilidades do time.

Dica de Leitura: É preciso ter Background em Design para migrar para UX?

2) O talento será mais importante do que a localização

A pandemia acelerou os processos de adaptação aos trabalhos remotos. Além disso, existem hoje diversas ferramentas que facilitam o Home Office, mesmo para o trabalho em equipe.

Nesse sentido, a pesquisa do UX Design Institute concluiu que as empresas se sentirão mais a vontade em trabalhar com times remotos.

Dessa maneira, o foco da contratação de um profissional se dará mais pelas suas habilidades do que pela sua localização geográfica.

Esse é um movimento que já acontecia antes de 2020, mas que será ainda mais fortalecido no pós-crise.

3) Maior empatia dos times

O aumento da maturidade das empresas com relação ao UX Design, fará com que a área de produtos digitais ganhe mais robustez e maior interação com outras áreas de negócio.

Dessa forma, o UX Designer deve estar preparado para atuar em times bastante colaborativos, interagindo com as equipes de TI, Marketing, Operações, etc.

4) Contínua evolução digital

As empresas que não conseguiram se adaptar rapidamente à crise, vão investir cada vez mais na evolução digital de seus produtos e serviços.

A busca por essa evolução é mais do que apenas vantagem competitiva. No futuro, ou você se adapta ao digital, ou você estará obsoleto.

Assim, a tendência é que as empresas comecem a buscar e fortalecer suas áreas de UX, procurando sempre sobrepor a sua concorrência.

5) Menores barreiras para as pesquisas com os usuários

Assim como o trabalho remoto, a tendência é o maior uso de ferramentas para efetuar pesquisas remotas com os usuários.

Dessa forma, o processo de UX Research se tornará mais fácil e conveniente, podendo serem buscados usuários de diversas outras localidades e que poderão efetuar a pesquisa de suas casas.

Esses foram os principais resultados encontrados pela pesquisa da UX Institute. Mas não são apenas esses insigths que podemos tirar do futuro do UX Design.

Dica de Leitura: Ferramentas de UX/UI para você conhecer em 2021

Quais as outras perspectivas para o futuro do UX?

Os respondentes da pesquisa do UX Institute são nomes de peso no mercado. Nesse sentido, cada um deles puderam descrever suas perspectivas para o futuro do UX Design com base em sua vasta experiência.

É interessante ressaltar especificamente as perspectivas de 2 respondentes:

  • Gareth Dunlop (CEO & Founder da Fathrom UX and service design agency);
  • Mark Campbell (Consultor na empresa de recrutamento Morgan Mckinley).

Quais as mudança de longo prazo que podemos esperar do mercado de UX Design?

Para Gareth Dunlop, podemos deduzir algumas mudanças significativas no mercado de UX:

  1. As inovações continuarão a ser guiadas pela sua conveniência, rapidez e eficiência. As empresas que se adaptarem com lentidão ao universo digital, com certeza se tornarão obsoletas. Nesse sentido, a vantagem sempre será de quem conseguir usar o UX melhor do que os seus concorrentes;
  2. A importância da mobilidade será aumentada. E, nesse sentido, mobilidade não é apenas acessar informações remotamente, mas sim ser possível efetuar qualquer tarefa de qualquer lugar. A mobilidade no futuro não será algo negociável;
  3. Os usuários estarão mais empoderados. Anos atrás, os consumidores não tinham informações sobre os produtos que compravam. Hoje, há diversos sites de avaliação e as próprias redes sociais proporcionam informações de produtos e serviços. Essa tendência aumentará no futuro. A força da negociação não estará mais na mão do vendedor, mas na do usuário;
  4. As distâncias hierárquicas diminuirão. A crise da Covid-19 proporcionou uma visão mais humanizada da comunicação entre os CEOs e os colaboradores. Além disso, as ferramentas de comunicação remota permitiram aos mais introvertidos conseguir compartilhar com mais segurança as suas opiniões.

As perspectivas de Dunlop estão bastante em linha com o estudo da McKinsey que observamos acima. As empresas mudaram para se adaptar ao Covid-19 e assim permanecerão.

Além disso, os usuários mudaram seus comportamentos e estão mais ativos no mundo digital. Dessa forma, as empresas que não se adaptarem ao online não terão muitas chances de sucesso.

Quais as mudanças observadas nas contratações em UX Design?

Mark Campbell diz que os clientes, no início da pandemia, realmente pararam os processos de contratação de vagas em aberto. O que era de se esperar, na crise.

No entanto, por conta das transformações digitais e da adaptação das empresas, as habilidades de UX Design, principalmente de research, se tornaram muito procuradas.

Desse modo, as empresas procuraram profissionais de UX para atender a necessidade de sua digitalização em meio à pandemia.

Além disso, Campbell diz esperar um aumento nas contratações para posições remotas em UX Design. Mark espera também um impacto no salário da categoria, mas não com grandes quedas.

Ele explica que em um primeiro momento pós-pandemia, os salários podem ser congelados por conta da preocupação orçamentária das empresas. Mas não acredita que a média salarial sofrerá grandes decréscimos.

No que diz respeito a dicas para quem quer migrar para UX nesse momento, Mark acredita que é importante trabalhar o portfólio e estabelecer networking — marcar um café virtual com as pessoas.

Quando o mercado começar a voltar ao normal, virá uma onda de contratações e as pessoas precisam estar preparadas para isso.

Dica de Leitura: 6 Dicas para montar seu Portfólio em UX Design

Então, vale a pena migrar para UX/UI em 2021?

Não havia como entrarmos nessa discussão, sem antes mostrar os dados de pesquisas que foram conduzidas nesse período sobre o assunto.

Como podemos observar, a Covid-19 trouxe a necessidade das empresas se adaptarem ao digital, investindo em apps, softwares e sites para digitalizar seus produtos e serviços.

Nesse sentido, o mercado sentiu a necessidade e aperfeiçoou a sua visão sobre o UX Design e sobre como essa área é essencial para os negócios.

Por conta da tendência da continuidade dessas transformações, em um momento pós-crise, podemos acreditar que o mercado de UX continuará aquecido e favorecerá a migração de pessoas interessadas na mudança.

Portanto, é interessante pensar em fazer esse movimento e começar a investir em educação, para garantir o aprendizado das habilidades necessárias.

Dessa forma, sugerimos que você dê uma olhada no nosso curso Bootcamp MID.

O MID é um curso completo em que você aprende tudo o que precisa saber sobre UX Design desde o zero!

Entenda mais detalhes sobre o Bootcamp MID no nosso artigo exclusivo:

Se você gostou desse conteúdo não se esqueça de clicar em curtir e compartilhar! Esse pequeno gesto ajuda bastante no nosso trabalho! Fique à vontade para continuar navegando aqui e, caso queira receber nossos conteúdos por email, inscreva-se na nossa newsletter!

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Cursos

Temos orgulho de ter todo mês novos alunos contratados em países como Brasil, Irlanda, Portugal, Áustria, Nova Zelândia e Canadá.