Como Mandar Bem Em Um Processo Seletivo para UX Design?

Os processos seletivos e entrevistas para vagas em UX Design te assustam? Nós sabemos que é mesmo difícil prever o que vão te perguntar ou pedir para fazer. Mas fique calmo! Nós podemos te dar uma luz! Continue com a gente neste artigo e descubra como alguns processos funcionam e como você pode se dar bem em uma entrevista para UX Design!
Como Mandar Bem Em Um Processo Seletivo para UX Design?

A participação em processos seletivos é uma das situações mais desgastantes e estressantes que pode existir.

Imagina você se preparando para migrar para UX Design, participar de um processo longo, tendo que apresentar um portfólio, falar sobre experiências que você nem tem ainda, fazer um teste prático. E, depois de tudo, sentar cara a cara com seu futuro chefe e estar preparado para responder qualquer pergunta que ele fizer.

Com certeza isso é estressante para todo mundo, de maneira geral, não somente para quem está começando na carreira.

Será que existe alguma fórmula mágica para mandar bem nas entrevistas? Será que todo processo seletivo é igual?

Não dá pra dizer que existem fórmulas mágicas. Mas há algumas dicas e informações importantes para suas chances de sucesso em entrevistas aumentarem.

Nós separamos alguns insights, dicas e até perguntas frequentes em entrevistas, tudo isso para te ajudar!

Que tal? Continue com a gente, então, neste artigo!

Quais as etapas de um processo seletivo para UX Design?

Os processos seletivos são diferentes, dependendo da empresa, da equipe, das necessidades, do gestor, da vaga para a qual você está concorrendo, etc.

Dessa forma, não conseguimos colocar um padrão de como é um processo seletivo, mas conseguimos listar algumas etapas que geralmente acontecem:

  1. Primeiro contato com RH ou recrutador;
  2. Análise de portfólio, currículo e outras experiências;
  3. Primeira entrevista;
  4. Teste prático;
  5. Entrevista final.

Vamos analisar um pouco mais cada uma dessas possíveis etapas!

Primeiro contato com RH ou recrutador

Geralmente, quem inicia o processo de recrutamento, a partir da necessidade de uma equipe/ gestor, é a área de RH ou uma consultoria terceirizada.

Neste começo, o RH seleciona diversos currículos e verifica se o perfil do profissional se adequa à empresa e à oportunidade. A sua técnica e competência ainda não serão avaliados neste momento, mas sim se seu perfil e experiências, em princípio, atendem às necessidades da empresa/ equipe.

Portanto, neste momento, é importante que você tenha seu CV e o LinkedIn atualizados, contendo informações de uma maneira simples e objetiva.

Deixe claro quais são as suas experiências anteriores, ou quais os cursos de UX que você fez. Ou como algumas experiências anteriores se relacionam com UX Design, caso você esteja buscando essa migração. É interessante também pontuar seus objetivos de carreira, o que você está buscando e o onde você pretende chegar.

Dica de Leitura: LinkedIn para Designers – Dicas Para Melhorar Seu Perfil

Análise do portfólio, currículo e outras experiências

Após o processo de triagem feito pelo RH, seu currículo e portfólio vão parar nas mãos do gestor da equipe de UX Design.

Neste momento, o gestor irá avaliar suas habilidades demonstradas em seu portfólio e como que foram as suas experiências anteriores.

Portfólio

O portfólio é uma ferramenta crucial na vida de um UX Designer. É por meio dele que você consegue mostrar as suas habilidades mais técnicas, bem como a sua linha de raciocínio e até um pouco da sua personalidade.

Lembre-se de que montar um portfólio vai além de colocar todos os trabalhos que você já fez. Nem sempre quantidade significa qualidade. Além do mais, a pessoa que estiver avaliando não terá muito tempo disponível para olhar todos os projetos. Portanto, dê foco nos principais trabalhos da sua carreira e aqueles que se relacionam com o que a vaga de UX Design está solicitando.

Coloque todo o processo envolvido no projeto e não somente sua tela final. Utilize o Storytelling para explicar e exemplificar as etapas.

Procure adaptar seu portfólio para a vaga para qual você está participando. As empresas possuem necessidades diferentes e você precisa mostrar que é capaz de atendê-las.

É iniciante e não tem projetos anteriores? Trabalhe com redesign para compor seu portfólio. Ou, caso você seja aluno do MID, use os exercícios do curso. Eles são de um nível extremamente elevado e por isso são relevantes para compor um portfólio.

Dica de Leitura: Portfólio de UX Design: 7 Erros Para Você Não Cometer

Currículo e outras Experiências

Procure montar currículos específicos para cada vaga de UX Design. Como dito, as empresas possuem necessidades diferentes e você precisa dar enfoque nas habilidades que atendem tais necessidades.

Seja sucinto e não coloque experiências que não fazem sentido ou que não agregam para a oportunidade. Ou seja, nada de colocar suas habilidades de karatê ou aulas de piano que você já deu para ganhar um dinheiro extra (é engraçado, mas já vimos e recebemos currículos com esse tipo de informação).

Além disso, coloque os cursos de UX Design, ou relacionados, que você fez. Talvez eles sejam mais importantes para os profissionais iniciantes. Caso você seja mais experiente, foque nas experiências anteriores, quais eram as suas responsabilidades, desafios e projetos.

Primeira entrevista com o gestor da equipe de UX Design

Com certeza, essa pode ser considerada a etapa mais importante de todo o processo seletivo.

É nela que você terá a chance de conhecer quem, possivelmente, será seu gestor, como é a cultura da empresa e quais serão as suas atividades e responsabilidades na equipe.

Não existe um roteiro padrão utilizado pelos entrevistadores. Cada entrevista é diferente dependendo da pessoa que a aplica.

Existem pessoas que preferem conduzir a entrevista como um bate papo e existem outras que possuem diversas perguntas e conduzirão uma entrevista mais tradicional.

A melhor dica que podemos dar é: fique calmo e não tenha pressa em responder as perguntas. Não há problema algum em parar um momento para refletir sobre a questão e dar a melhor resposta possível, ao invés da primeira coisa que vier à mente.

Não se preocupe, nem gaste energias, em forçar uma boa impressão para o entrevistador. Responda de forma direta, sem floreios, mas com todas as informações que foram solicitadas.

Não tenha medo de perguntar sobre a empresa, a equipe e suas responsabilidades. É uma via de mão dupla. A empresa tem que gostar de você e você tem que gostar dela.

Essa entrevista é um momento para você mostrar suas Hard Skills e Soft Skills. Esteja preparado para responder esse tipo de pergunta e esteja confiante de que você saiba quem você é. Pode parecer óbvio, mas o auto conhecimento ajuda bastante nesse momento.

Conheça seu portfólio e saiba apresentá-lo. Possivelmente o entrevistador pedirá para você falar sobre ele. Caso você leve seu computador pessoal, tenha todos os arquivos salvos no HD da sua máquina e tenha também outros trabalhos na manga. Como alguns protótipos, wireframes e redesigns. Esteja preparado para mostrar trabalhos além do seu portfólio. A conversa pode levar rumos que você não espera.

É uma entrevista para vaga internacional?

Se sim, provavelmente esse bate papo acontecerá remotamente. Apesar de algumas empresas bancarem uma viagem para que seus candidatos façam a entrevista pessoalmente.

Se esse não for o caso, esteja em um lugar tranquilo na hora da conferência. Use fones de ouvidos para o barulho do ambiente não interferir na entrevista e esteja com o inglês afiado. Em geral, uma empresa estrangeira entende que o inglês não é sua língua nativa, portanto não se importam com seu sotaque ou pequenos erros; porém, ser capaz de fluir as ideias e se comunicar com tranquilidade é um pré-requisito.

Dica de Leitura: 7 Dicas para Você se Tornar um Designer Internacional

Teste prático

Nem todas as empresas aplicam testes práticos de UX Design para os candidatos. Mas é importante que você saiba que isso pode acontecer, então, prepare-se.

Como as outras etapas, os testes não possuem um padrão.

Pode ser solicitado que você:

  • Faça uma avaliação heurística de um site;
  • Solucione um problema hipotético;
  • Faça uma análise de um feature de um produto ou site;
  • Faça algum wireframe ou protótipo;
  • Mostre suas habilidades com algum tipo de software/ ferramenta.

Os testes podem ser solicitados com um certo prazo para serem entregues, ou seja, você consegue fazer tranquilo da sua casa. Ou, você pode ter que fazer um teste ao vivo, na hora da entrevista.

Os objetivos da aplicação de testes são, geralmente:

  • Verificar sua habilidade de solucionar problemas e como funciona a sua linha de raciocínio;
  • Entender se as suas ideias e soluções atendem também aos objetivos da empresa, e não somente as necessidades do usuário;
  • Avaliar sua capacidade analítica, criatividade e entendimento do contexto.

Prepare-se para passar por esse tipo de avaliação e teste. Claro que, aplicações práticas dependem bastante da sua bagagem e experiência. Mas lembre-se que recrutadores não se preocupam somente com as suas habilidades técnicas, mas também seu mindset e demais soft skills. Por isso, deixe clara a sua linha de raciocínio e como você pensa, resolve problemas e lida com adversidades.

As suas habilidades poderão ser postas à prova, por meio de testes. Sendo assim, não minta sobre suas habilidades e competências. No final, você pode acabar se constrangendo.

Dica de Leitura: Heurísticas de Nielsen – 10 Dicas para melhorar a Usabilidade de sua Interface

Entrevista final

É comum, em um processo seletivo, haver mais de uma entrevista. Podendo chegar a 3, 4 entrevistas, em alguns casos.

Normalmente, a entrevista final acontece com o diretor da empresa, ou com um líder mais sênior da área ou equipe.

Pode acontecer, ainda, da entrevista final contar com a presença de diversos representantes de áreas clientes ou com colegas de equipe, para entender seu entrosamento, sociabilidade e capacidade de trabalhar em equipe.

Nessa fase, a avaliação estará mais calcada em seus objetivos e adequação ao perfil da empresa e área, do que com suas habilidades técnicas e experiências.

Para a entrevista final, vale a mesma dica: mantenha a calma, pense nas respostas e tire qualquer dúvida que você ainda tiver sobre a empresa, os processos, oportunidades e etc.

Todo processo seletivo em UX Design segue as mesmas etapas?

Como dito no começo do artigo, os processos podem ser diferentes de acordo com a empresa, com a equipe e com os recrutadores/ entrevistadores, com a vaga aberta, etc.

No entanto, existem alguns processos que são mais diferentes do que o normal.

Networking como facilitador de processos

Nós batemos bastante na tecla do networking e como ele é importante em UX Design.

O Networking ajuda, entre outras coisas, a conseguir oportunidades de emprego e facilita algumas etapas do processo seletivo.

Conhecer alguém que possa indicar seu currículo/ portfólio dentro da empresa é sim um bom negócio.

A indicação de um profissional garante para a empresa mais segurança sobre sua experiência e habilidades, uma vez que alguém interno da equipe/ empresa, conhece o/a candidato(a).

O networking pode abrir diversas portas, e pode até vir a substitui um processo seletivo ou diminuir as fases deste. Termos relatos de diversos alunos que conseguiram suas primeiras oportunidades em UX Design através de suas redes de networking e isso encurtou esse processo. Só como exemplo confira as entrevistas com os alunos:

Esses são apenas alguns casos de alunos em que o networking facilitou a conquista das primeiras oportunidades em UX Design.

Assim, é altamente recomendável que você estabeleça uma rede de contatos para conseguir esse tipo de oportunidade.

Procure participar de comunidades de UX Design, de palestras e conferências e mantenha bons relacionamentos em seus trabalhos.

A Aela, por exemplo, possui uma comunidade de alunos do curso Bootcamp MID, que já ajudou diversos alunos a encontrarem oportunidades em UX Design.

Dica de Leitura: Conheça o Bootcamp MID!

Ser o primeiro UX Designer da empresa

Outra exceção à regra dos processos seletivos tradicionais é quando você tem a oportunidade de ser o primeiro UX da empresa e será responsável por montar uma equipe e desenvolver a área do zero.

Muitas empresas estão entendendo como o UX Design é importante para sua estratégia e estão amadurecendo sua cultura de UX.

Dessa forma, é possível um profissional mais experiente ser chamado para montar uma equipe para uma empresa.

Por conta disso, o processo seletivo tende a ser um pouco diferente, uma vez que não há outro profissional na empresa para poder avaliar a sua experiência e portfólio. Mas isso não quer dizer que o recrutador será menos criterioso, muito pelo contrário, por ser uma contratação extremamente estratégica.

Nosso aluno Diogo Alvarez foi quem implementou a área de UX Design na Indra e acabou contratando outros alunos do MID para compor sua equipe.

"… o responsável pela contratação era um aluno do Bootcamp Master Interface Design. Ele pediu indicações para os mentores da Aela, que passaram o meu nome e elogiaram o meu trabalho." Luka Vasconcelos

"Acabei conseguindo uma oportunidade como UX/UI Designer na Indra. Inclusive, o Diogo Alvarez, também aluno do Bootcamp MID, atua aqui na Indra, na verdade, foi ele quem implementou a área de UX na empresa e hoje trabalhamos juntos." Gabriel Bezerra

Existem perguntas mais frequentes em entrevistas para UX?

A Nielsen Norman Group efetuou uma pesquisa sobre Carreiras em UX Design. Nesse relatório, os participantes contam um pouco sobre o que perguntam para os candidatos nas entrevistas. As mais comuns foram:

  • Critique algo;
  • Explique métodos e processos;
  • Questões conceituais sobre UX e Design Centrado no Usuário;
  • Quais os motivos por estar em uma carreira em UX Design;
  • Motivos por querer trabalhar na empresa;
  • Livros que indica;
  • Quem são suas referências em UX Design;
  • Como você se mantém atualizado;
  • Contar as histórias dos projetos que já participou.

É claro que uma entrevista não se baseia somente nas perguntas acima, mas elas dão uma boa base para você entender o que te espera na maioria delas.

O que os recrutadores procuram em um candidato?

Além de habilidades técnicas (Hard Skills), as empresas procuram um candidato que também possua Soft Skills, ou seja, habilidades comportamentais.

Segundo o 2019 Product Design Hiring Report as Hard Skills mais valorizadas são:

  • UX Design;
  • User Research;
  • UI Design.

E as Soft Skills mais importantes são:

  • Colaboração/ Trabalho em equipe;
  • Comunicação;
  • Empatia.

Complementando o relatório da InVision, o Careers Report da NN/g também consolida alguns insights importantes sobre o que os recrutadores procuram:

Portanto, não se limite ao aprendizado e conhecimento de Hard Skills.

As Soft Skills e conhecimento sobre negócios é essencial para um UX Designer.

Dica de Leitura: Por Que Times Balanceados São Importantes em UX Design?

Exemplos de processos seletivos dos alunos do MID

Em conversas com nossos alunos, costumamos perguntar como foi o processo seletivo para a vaga de UX que atuam. Veja alguns exemplos abaixo e perceba como cada processo é diferente um do outro.

Alyson Ambrósio

Alyson usou do Networking para conseguir a atual vaga de UX Design onde atua.

"Através de um desses contatos, recebi uma indicação para essa vaga na startup Alfred Delivery. O responsável pela vaga perguntou para outras pessoas sobre mim. A entrevista foi uma conversa bem informal, porque eu já conhecia o CEO da startup. Nos conhecemos em algum dos eventos que eu fui e já havíamos conversado algumas vezes. Ele tentou preencher essa vaga com outras pessoas, mas essas pessoas muitas vezes já estavam estabelecidas e acabavam indicando outras, até que chegou em mim."

Rodrigo Guilherme

Rodrigo conquistou a vaga em um processo para o qual não foi necessário um teste prático.

"O processo seletivo para a posição em que estou agora foi simples e surpreendente. Eu estava em São Paulo quando recebi uma ligação de uma pessoa da empresa falando que tinha gostado meu LinkedIn e do meu portfólio. Inclusive, o meu portfólio só possuía dois trabalhos de UX na época, que foram desenvolvidos durante os 2 primeiros níveis do MID. Marcamos uma entrevista, e dessa vez não rolou a parte do teste que muitos processos têm, só precisei mandar o meu currículo. Ele me fez muitas perguntas técnicas e me perguntou sobre minha experiência. Eu fui muito sincero. O que consegui responder eu respondi, mas se eu não sabia eu era honesto e dizia que estava disposto a aprender."

Daiane Thomé

Daiane conseguiu uma oportunidade da Mercos e seu processo teve teste prático e diversas entrevistas.

" O processo com a Mercos foi bem rápido, demorou em torno de um mês. Acho que rolou bastante também um match do perfil, e isso é importante também. Eu respondi algumas perguntas por email e depois fiz também um teste técnico — eles mandavam umas pesquisas que tinham feito com usuários e me deram algumas opções de problema. A partir disso, tive uma semana para apresentar uma solução. Fiz também uma entrevista por vídeo conferência com o time de Product Design e depois uma com o RH da empresa para ver se estava tudo certo."

Daniel Hildebrandt

Daniel mora e trabalha no Canadá. Conseguiu sua atual posição por uma comunidade de UX/ UI.

"No meu trabalho atual, vi a vaga em uma comunidade de UX/UI daqui do Canadá — eles estavam inclusive procurando alguém que soubesse fazer animações. Conversei com o gerente responsável sobre a posição e fui fazer mais duas entrevistas — para essas, levei meu portfólio e expliquei todos os processos envolvidos no desenvolvimento do projeto. Depois de pouco tempo fui chamado para a vaga."

Juliana Neri

O processo da Juliana também contou com testes e entrevistas.

"Fui chamada para a primeira entrevista e no final tinha um teste para fazer. Eu já sabia que isso é uma prática comum no mercado. Nesse meio tempo, conversamos bastante e eu fui muito sincera, falei que estava participando de outros processos e deixei claro que não tinha experiência prévia em Product Design. Eles curtiram e no mesmo dia, depois do teste, me falaram que iam me mandar uma proposta e acabei entrando como Pleno."

Israel Mesquita

Israel conseguiu uma oportunidade em uma empresa de Portugal. O processo foi demorado e exaustivo, mas o mais interessante foi o motivo por ele ter conseguido a vaga.

"… depois de um tempo eu descobri que a Seedrs me contratou não por conta da qualidade e complexidade dos meus projetos do portfólio, mas sim por causa do Storytelling que eu apliquei. Como eu tenho um background em Design Gráfico, eu decidi criar uma identidade própria para o meu portfólio. Dessa ideia nasceu o D-Hero (Design Hero) que é o personagem que eu aplico junto com o Storytelling em meu portfólio. Foi muito interessante ver que a empresa havia considerado mais importante essa questão do Storytelling do que os meus projetos em si."

Como se preparar para as entrevistas?

Como pudemos observar ao longo desse artigo, não existe um padrão para entrevistas ou processos seletivos. Existem sim algumas etapas que geralmente aparecem em quase todos os processos.

Para você estar preparado para as entrevistas é preciso participar de várias delas. É isso, como sua própria experiência em UX, para melhorar sua performance nas entrevistas é preciso praticar.

Além disso, vimos que diversos recrutadores perguntam questões técnicas e conceituais. Para isso nossas dicas são:

Não pare de estudar

Leia livros, artigos, consuma conteúdo de diversas formas. É uma forma de se manter atualizado com as tendências do mercado e aprender cada vez mais sobre conceitos de UX/UI, usabilidade e Design Centrado no Usuário.

Nós inclusive damos dicas de livros para você aumentar seus conhecimentos sobre UX:

Participe de comunidades, eventos e estabeleça um networking

Como vimos, uma boa rede de contatos é importante para abrir portas e oportunidades de trabalho. Portanto, não fique parado. Proponha-se a conhecer pessoas e participar de comunidades. Isso vai fazer toda a diferença para você.

Procure mentoria

A mentoria é um processo para você aprender mais por meio de um profissional mais experiente.

Com a mentoria você consegue aperfeiçoar tanto suas Hard Skills quanto suas Soft Skills, as quais, como vimos, são muito procuradas por recrutadores.

Você pode encontrar um mentor no seu próprio ambiente de trabalho, ou, se inscrever no nosso Bootcamp, você terá mentorias exclusivas de acompanhamento.

Dica de Leitura: Quem São Os Mentores do MID?

Curso Bootcamp MID

Caso você queria um curso completo, que irá te guiar do zero até aprendizados avançados, você precisa conhecer o nosso Bootcamp Master Interface Design.

Além de você contar com aulas e exercícios práticos, você terá acesso a comunidade de alunos — sendo um belo lugar para fazer Networking — e terá as mentorias exclusivas com profissionais que atuam no mercado internacional de UX Design.

Dica de Leitura: Por Que O MID É Um Curso de UX/UI Design Incrível?

Se você gostou desse conteúdo não se esqueça de clicar em curtir e compartilhar! Esse pequeno gesto ajuda bastante no nosso trabalho! Fique à vontade para continuar navegando aqui e, caso queira receber nossos conteúdos por email, inscreva-se na nossa newsletter!

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Cursos

Temos orgulho de ter todo mês novos alunos contratados em países como Brasil, Irlanda, Portugal, Áustria, Nova Zelândia e Canadá.
Faça parte da comunidade Aela no Telegram!
Receba nossos conteúdos e notícias em primeira mão